Orgasmo Clitoriano e Orgasmo Vaginal: diferentes tipos de clímax

A discussão sobre as diferenças entre orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal faz parte da temática da sexualidade praticamente desde que se discute teorias a respeito do sexo. Há interpretações para praticamente tudo, retratando todas as opiniões:

Alguns estudos dizem que a diferença entre orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal é total, atingindo pontos absolutamente diferentes do aparelho sexual. Para outras interpretações, no entanto, orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal são praticamente a mesma coisa, pois toda a vagina receberia ramificações do clitóris. Há, ainda, quem diga que o orgasmo vaginal nem mesmo existe.

Apesar das opiniões cada vez mais distintas, já é um consenso majoritário que orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal existem de fato, mas não são apenas os dois que marcam o corpo feminino. Segundo estudos recentes, é possível que o prazer intenso estimule diversos tipos de orgasmos, que parte de diferentes partes do corpo que não apenas a região genital.

Saiba mais sobre orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal, assim como os vários outros tipos de orgasmos observados atualmente no corpo feminino:

Orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal

Segundo as teorias mais relevantes sobre a sexualidade feminina, existe uma certa diferença entre orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal. Na prática, o clitoriano é aquele que parte do estímulo direto e exclusivo do clitóris. Geralmente, considera-se esse tipo de orgasmo realizado exclusivamente no meio externo, sem nenhum tipo de penetração.

É possível, ainda, que durante uma penetração, a mulher tenha o orgasmo clitoriano ao estimular o clitóris no corpo do parceiro, com ou própria mão ou com os contatos esporádicos.

Já o orgasmo tipicamente vaginal é aquele que resulta da penetração e dos movimentos sexuais que friccionam o pênis, a mão ou outro instrumento dentro da vagina. Em geral, é considerado mais difícil de ser obtido sem o auxílio do clitóris. Há correntes que consideram, ainda, que o orgasmo vaginal ocorre nas ramificações internas do clitóris, sendo uma modalidade interna do tipo clitoriano.

E os outros tipos de orgasmo?

Um estudo recente na universidade canadense de Concordia fez uma ampla revisão dos tipos de orgasmo que a ciência estudou ao longo do tempo. O interesse do estudo era buscar confirmações ou rejeições das possibilidades de orgasmos diversos, gerados através de estímulos fora da genitália.

O resultado do estudo foi a percepção que a distribuição sensorial do corpo das mulheres permite-as sentir orgasmos em diversos pontos do corpo. Isso tudo ocorre através da união entre as redes neuronais e a excitação – que é tanto física, quanto psicológica.

Dessa forma, a gama de opções tende a ser muito mais alta do que geralmente pensamos ser. Algumas dessas região percebidas como potenciais geradoras de orgasmo são:

Colo do útero

Enquanto a maior parte dos clímax são orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal, o colo do útero também é capaz de ser estimulado até o ponto em que chega ao orgasmos.  O colo do útero é o ponto chamado de cérvix, localizado no fundo da vagina. Este orgasmo pode ser atingido através de diferentes tipos de penetração.

Mamilos

Os mamilos, em conjunto com o resto do seio, também podem ser estimulados gerando uma sensação de prazer que pode levar ao orgasmo, em mulheres extremamente excitadas. Embora seja mais rara, a situação é possível e já foi documentada em vários estudos.

Outras zonas capazes de levar ao orgasmo

O estudo ainda reuniu o registro de orgasmos através de estímulos anais, nas orelhas, no pescoço e, até mesmo, puramente psicológicos. Isso demonstra a versatilidade do corpo feminino em sentir prazer e, sobretudo, a importância psicológica da excitação. Por isso, não considere apenas orgasmo clitoriano e orgasmo vaginal como formas de chegar ao clímax, e mantenha a mente aberta para experimentações.

Posts Relacionados:

Leave a Reply